LS Esporte - Portal de Notícia Esportiva de Rondônia

Notícias Arbitragem

COPA DO MUNDO DO QATAR TERÁ ARBITRAGEM FEMININA PELA PRIMEIRA VEZ EM 92 ANOS

Fifa anunciou a escolha de três árbitras e três auxiliares para a os jogos do Catar, entre elas, uma brasileira

COPA DO MUNDO DO QATAR TERÁ ARBITRAGEM FEMININA PELA PRIMEIRA VEZ EM 92 ANOS
Foto: Reprodução/Divulgação
Imagens
IMPRIMIR
Use este espaço apenas para a comunicação de erros nesta postagem
Máximo 600 caracteres.
enviando

Pela primeira vez em 92 anos de história, a Copa do Mundo de Futebol de 2022, programada para o período de 21 de novembro e 18 de dezembro no Qatar, terá participação de mulheres na arbitragem, entre elas a brasileira Neuza Back como auxiliar de arbitragem. O anúncio foi feito pela Fifa nesta quinta-feira, 19/05.

Foram selecionadas três árbitras - a francesa Stéphanie Frappart, a ruandesa Salima Mukansanga e a japonesa Yoshimi Yamashita - e três assistentes - a mexicana Karen Díaz Medina e a americana Kathryn Nesbitt além da brasileira Neuza Back. A auxiliar brasileira já atuou em inúmeros jogos do campeonato paulista, além de ter participado da arbitragem dos Jogos Olímpicos do Rio-2016 e Tóquio-2020. Também atuou na Copa do Mundo Feminina de 2019. 

Assistentes na Copa do Mundo do Qatar 2022

Stéphanie apitou a final da Copa do Mundo feminina, em 2019, e atua em jogos do campeonato francês masculino, sendo a primeira mulher a apitar uma partida masculina na Champions League. No último dia 7 de maio, ela apitou a final masculina da Copa da França, ocorrida em Paris. 

Em janeiro deste ano, a ruandesa Salima Mukansanga se tornou a primeira árbitra mulher em uma partida da Taça das Nações Africanas de Futebol. Também atuou nas Olimpíadas de Tóquio, na Copa Africana de Nações e na Liga dos Campeões da África. Yoshimi Yamashita também foi a primeira mulher a apitar uma partida masculina da Liga dos Campeões Asiática.

"A escalação delas conclui um longo processo, que começou há vários anos, com a presença de árbitras nos torneios masculinos juniores e seniores da Fifa. Desta forma, enfatizamos que é a qualidade que conta para nós, e não o gênero. Espero que, no futuro, a seleção de árbitras de elite para competições masculinas importantes seja percebida como algo normal, e não mais como excepcional", declarou Pierluigi Collina, presidente do Comitê de Arbitragem da Fifa.

Comentários:

Veja também

Crie sua conta e confira as vantagens do Portal

Você pode ler matérias exclusivas, anunciar classificados e muito mais!

Envie sua mensagem, estaremos respondendo assim que possível ; )